sábado, 28 de abril de 2012

MARITIMO - FC PORTO 2-0

  • Bis de Hulk aproxima bicampeonato


JAMES RODRIGUES
HULK

Carlos Pereira prometeu que FC Porto não teria paz, outros apostaram as fichas todas num tropeção na deslocação à Madeira, mas os Dragões mostraram mais uma vez quem é o patrão do campeonato e ganharam de forma autoritária, com dois golos de Hulk, na conversão de duas penalidades sem discussão. Faltam dois pontos para o bicampeonato. Ou menos.

Boa entrada no jogo do FC Porto, à procura do golo que deixasse o título mais perto. Com Varela no “onze” e Janko no banco, coube a Hulk ocupar a posição central no ataque dos Dragões, que desde o primeiro minuto ameaçaram a baliza de Salin.

Utilizando preferencialmente o flanco esquerdo, aproveitando sucessivas combinações entre Alex Sandro, Varela e Moutinho, o FC Porto encurralou o Marítimo na área e foi procurando criar situações de remate. Hulk e Lucho ameaçaram e aos 13 minutos o golo esteve mesmo iminente, com Hulk a concluir uma excelente jogada pela esquerda, mas que Ruben Ferreira salvou em cima da linha.

O FC Porto pressionava e aos 16 minutos chegou à vantagem, através de um penalti convertido por Hulk, depois de Fidelis cortar um pontapé de canto com a mão – falta clara e sem discussão. Hulk marcou com competência, fazendo a bola entrar junto ao poste esquerdo da baliza de Salin.

Sempre com mais posse de bola, o FC Porto controlou a partida, esteve perto do segundo golo aos 38 minutos, quando uma bela iniciativa de Sapunaru terminou com um cruzamento atrasado para o remate de James, que Salin defendeu em desespero com as pernas.

A perder por um golo, o Marítimo foi acreditando que podia inverter o resultado e a verdade é que na segunda parte criou muitos mais problemas à defesa dos Dragões. Aos 68 minutos Helton impediu a igualdade, com uma grande defesa a remate de Fidelis. No minuto anterior foi Hulk quem esteve perto do segundo golo, mas o remate saiu ligeiramente ao lado.

Mesmo em cima do final do jogo Hulk ofereceu o segundo golo a Lucho, mas o remate do argentino saiu por cima, mas logo a seguir Djalma foi derrubado na área, penalti claro que Hulk converteu no 2-0 final. Está quase.

FICHA DE JOGO

Marítimo - FC Porto, 0-2
Liga, 28.ª jornada
28 de Abril de 2012
Estádio dos Barreiros, no Funchal
Assistência: Cerca de 4000 espectadores
Árbitro: Paulo Batista (Portalegre)

MARÍTIMO: Salin; Briguel, Roberge, Robson e Ruben Ferreira; Rafael Miranda, Olberdam e João Luíz; Danilo Dias, Sami e Fidelis.
Substituições: João Luís por Heldon (46m), Danilo Dias por Benachour (62m) e Roberge por Pouga (81m).
Não utilizados: Peçanha, João Diogo, João Guilherme e Luís Olim.
Treinador: Pedro Martins

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Maicon, Otamendi e Alex Sandro; Fernando, Lucho e João Moutinho; James, Hulk (cap.) e Varela
Substituições: Varela por Djalma (63m), James por Defour (75m), Lucho por Rolando (88m)
Não utilizados: Bracali, Danilo, Kléber, Rolando e Janko.
Treinador: Vítor Pereira

Ao intervalo: 0-1
Marcadores: Hulk (16m, pen e 89m, pen)
Cartão amarelo: Rafael Miranda (20 e 89m), Ruben Ferreira (31m), Robson (48m), Alex Sandro (55m), Benachour (67m), Olberdam (69m), Hulk (74m); Heldon (84m)
Cartão vermelho: Rafael Miranda (89m)

NOBREGA

  • Faleceu Nóbrega, antiga glória do FC Porto

Francisco Lage Pereira Nóbrega faleceu este sábado, no Porto, aos 70 anos. Nóbrega, como era conhecido, foi um dos mais empolgantes extremos-esquerdos do futebol português. O FC Porto apresenta sentidas condolências à família.

Nascido a 14 de Abril de 1942, em Vila Real, Nóbrega fez a formação no FC Porto e cedo se assumiu como titular dos Dragões, depois de um ano emprestado ao Tirsense, tendo cumprido 12 épocas consecutivas no FC Porto, onde conquistou a Taça de Portugal de 1967, numa final frente ao Vitória de Setúbal ganha por 2-1, com Nóbrega a apontar um dos golos.

Internacional pela selecção nacional em quatro ocasiões, Nóbrega foi depois treinador de várias equipas dos escalões secundários, até se ter retirado do futebol.

fotos do tetra




ANDEBOL -


52 anos depois, de novo "tetra"

O FC Porto Vitalis é pela segunda vez na sua história tetracampeão, após vencer este sábado o Águas Santas, por 30-25. Os Dragões chegam ao título no mesmo palco da época transacta, na Maia, mas desta vez uma jornada mais cedo (o campeonato foi então conquistado a 7 de Maio). O primeiro “tetra” portista tinha sido consumado em 1960, há 52 anos.

A vitória a três jornadas do fim comprova o domínio do andebol português, em que os portistas são de longe a equipa mais consistente e eficaz. O jogo dos Dragões é mais rápido, mais forte e mais moderno do que o de qualquer adversário nacional. Também nesta modalidade o FC Porto está num patamar de excepção e, por isso, a festa que se viveu em Águas Santas foi mais do que merecida, após nove meses de trabalho intenso.

Os predicados que levaram os azuis e brancos a este domínio foram colocados em campo mais uma vez, num pavilhão repleto de adeptos do FC Porto, que prestaram um apoio incansável à equipa e que, no final, puderem comemorar em plena arena. Num encontro em que o guarda-redes Hugo Laurentino se exibiu a grande nível e em que Gilberto Duarte foi o melhor marcador, com oito tentos, os portistas mostraram níveis de eficácia que contam toda a história: 54% na primeira linha, 73% na segunda, 70% no contra-ataque (7 golos em 10 remates) e 40% de eficácia dos guarda-redes.

O FC Porto entrou de rompante na partida e chegou a uma vantagem de cinco golos (2-7, aos 8:17). O contra-ataque funcionava então em pleno, mas os maiatos readaptaram-se e recuperaram no marcador. A partir de meados da primeira parte e até ao intervalo, a vantagem portista estabilizou nos dois/três golos. Nem o vermelho, que pareceu algo exagerado, visto por Daymaro Salina aos 22 minutos impediu os Dragões de se manter na frente.

No arranque da segunda parte, o FC Porto surgiu mais agressivo defensivamente e “cavou” a margem de que necessitava para assegurar a vitória. O golo de Wilson Davyes que deu o 18-24 ao FC Porto, a 15 minutos do final, praticamente sentenciou a partida, perante um Águas Santas sem reacção. Ainda houve tempo para dar espectáculo: por exemplo, no “chapéu” de Tiago Rocha a António Campos, aos 53 minutos, após assistência fantástica de Filipe Mota.

O marcador final já não interessava muito. Interessava mais a festa, que foi sendo feita no banco portista, nos minutos finais, e nas bancadas. Todos os 14 andebolistas do FC Porto que estavam na ficha de jogo tiveram oportunidade de entrar em campo e, no final, mesmo os não convocados se juntaram às celebrações.

FICHA DE JOGO

Águas Santas-FC Porto Vitalis, 25-30
Andebol 1, fase final, sétima jornada
28 de Abril de 2012
Pavilhão de Águas Santas, na Maia

Árbitros: César Carvalho e Daniel Freitas

ÁGUAS SANTAS: António Campos e Daniel Paiva (g.r.); Joel Rodrigues (5), Pedro Cruz (7), Mário Lourenço, Eduardo Salgado (4), Juan Couto (cap., 1), Marco Sousa (4), Nuno Pimenta (2), Albano Lopes (1) e Jorge Sousa (1)
Treinador: Jorge Borges

FC PORTO VITALIS: Hugo Laurentino e Alfredo Quintana (g.r.); Gilberto Duarte (8), Pedro Spínola (6), Tiago Rocha (5), Dario Andrade (3), Ricardo Moreira (cap., 3), Wilson Davyes (3), Filipe Mota (2), Daymaro Salina, Ricardo Costa, Malencic, Elias Nogueira e Vasco Santos
Treinador: Ljubomir Obradovic

Ao intervalo: 13-15
Disciplina: cartão vermelho a Daymaro Salina (22m)
Caso Leiria: Liga aponta dedo ao Sindicato


A Liga de clubes aponta o dedo ao Sindicato no caso dos salários em atraso no futebol português, onde o caso mais mediático é a União de Leiria.

Em comunicado, colocado, esta noite, na página ofícial da Liga, a entidade que gere as competições profissionais acusa o Sindicato dos Jogadores Profissionais (SJPF) «de má gestão do Fundo de Garantia Salarial e discriminação positiva dos futebolistas do União de Leiria em relação aos restantes com salários em atraso».


Leia o comunicado:

«O País atravessa momentos de dificuldades económicas e financeiras tão graves que teve de pedir auxílio internacional e está sob intervenção externa.

Segundo a Autoridade para as Condições do Trabalho mais de 700 empresas registaram salários em atraso em Portugal durante o ano passado, afectando mais de 7 mil trabalhadores.

O futebol profissional não é excepção e vivemos momentos difíceis. A Liga lamenta a existência de salários em atraso no Futebol Português, sabendo-se, por via informal, que os mesmos não se verificam somente na UD Leiria SAD.

Com efeito, a Liga faz dois controlos salariais ao longo da época desportiva, um em Dezembro e outro no final da época. Segundo o controlo efectuado em Dezembro de 2011 podemos afirmar que não havia salários em atraso na I e na II Ligas.

Ciente das dificuldades de tesouraria sentidas, sobretudo, na Liga Orangina, a Comissão Executiva da Liga efectuou uma distribuição de €25.000,000 a cada um dos 16 clubes da II Liga para fazer face, designadamente, ao pagamento de salários aos jogadores.

No ano de 2008, a Liga e a FPF criaram um fundo de garantia salarial de jogadores para fazer face aos casos mais graves de salários em atrasos. Esse fundo de garantia salarial, infelizmente, ficou sob a gestão isolada do SJFP, tendo a Liga e a FPF contribuído com a quantia global de €200.000,00 (100 mil cada).

Segundo informações colhidas informalmente o Sindicato dos Jogadores não terá gerido o fundo da forma mais eficiente, tendo afectado em exclusivo, ou pelo menos, numa parte muito substancial, as verbas do fundo ao pagamento dos salários que o Estrela da Amadora tinha em dívida para com os seus jogadores.

Para agravar a situação de esvaziamento do fundo, o SJFP não terá accionado os direitos de crédito sub-rogados com vista à reconstituição da massa patrimonial, permitindo que os jogadores pudessem reclamar o que já haviam recebido e assim se fazerem pagar duas vezes pelo seu crédito salarial, na totalidade ou em parte.

Segundo informações prestadas pelo Presidente do Sindicato existiam cerca de €34.000,00 no Fundo de Garantia Salarial na semana passada, que, no entanto, a crer em dados fornecidos ontem parece, afinal, estar reduzido a uma quantia inferior a €10.000,00.

Competia pois ao Sindicato ter gerido o fundo de acordo com o respectivo regulamento, de forma a serem repostas as verbas para fazer face às carências dos jogadores nos casos mais graves, devidamente escrutinados.

Repare-se, assim, que se o Sindicato não possui os fundos necessários e suficientes para acudir aos jogadores que objectivamente se encontrem numa situação de dificuldade económica tal fica neste momento a dever-se a ineficiente gestão do Sindicato e do Seu Presidente e à não prestação de contas sobre o dito Fundo.

Não pode é o Senhor Presidente do Sindicato vir pedir mais meios à Liga para fazer face a situações supervenientes enquanto não prestar contas sobre o fundo constituído em 2008, o que lhe foi pedido várias vezes, em vão.

Cumpre ainda esclarecer que a Liga entrega todos os anos ao Sindicato de Jogadores, para o Fundo de Solidariedade Social previsto no artigo 58.º do Regulamento do Contrato Colectivo de Trabalho respectivo, 15% do volume global das multas e coimas desportivas, recebidas pela Liga, tendo entregado a esse título as seguintes quantias nos últimos anos:
- No ano de 08/09, €32.000,00;
- No ano de 09/10, €34.000,00;
- No ano de 10/11, €42.000,00;

Ou seja, em três épocas desportivas e meia a Liga entregou ao Sindicato para os fins indicados uma quantia global superior a €200.000,00.

Isto para além das quantias entregues pela Liga ao Sindicato a outros títulos, que nos últimos anos em média, ascendem a €30.000,00 por época.

Isto posto, também cumpre dar conta de que o Sindicato não reclama, como devia, pelo pagamento proporcional dos salários em atraso de todos os jogadores da Liga que sofram dessa vicissitude.

A sensibilidade social do Presidente do Sindicato de Jogadores é especiosa e singular! O Senhor Presidente do Sindicato só está empenhado em pagar integralmente os salários aos jogadores que anunciam greve e a falta de comparência a um jogo de futebol, quando é certo que com uma verba equivalente se poderia contemplar ajuda a muitos mais jogadores que encontrem numa situação económica difícil em virtude do não pagamento de salários.

O que o Presidente do Sindicato exige é que a Liga efectue o pagamento avultado de salários a cerca de 20 jogadores do UD Leiria, discriminando positivamente estes em relação aos demais.

Onde é que está a justiça ou equidade da situação? Cumpre repetir que a Liga lamenta profundamente a existência de salários em atraso no União de Leiria. Mas é preciso encontrar um critério que trate por igual todos os jogadores que se encontrem na mesma situação.

A Liga estará sempre disponível para encontrar soluções para os casos de carência económica efectiva de jogadores profissionais e, para tal, iremos convocar uma reunião com vista a tomar decisões sobre esta matéria bem como sobre a introdução de novas regras de fair-play financeiro aplicáveis aos clubes com vista a minorar a ou impedir que estas situações se repitam no futuro.
http://www.zerozero.pt/noticia.php?id=61549

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Dragão recebido em festa na Madeira
   

A família portista recebeu a comitiva do FC Porto em festa à chegada à Madeira. À espera da equipa azul e branca estavam cerca de uma centena de adeptos equipados a rigor.

A comitiva tinha no chão uma bandeira onde se podia ler: «Campeões».

O FC Porto joga este sábado diante do Marítimo, em jogo da 28ª jornada da Liga portuguesa.


Dragões avançam para a final por desistência do CAB

A Federação Portuguesa de Basquetebol comunicou esta sexta-feira ao FC Porto que o CAB Madeira desistiu da sua participação nas meias-finais dos playoffs da Liga. Por esse motivo, ficam sem efeito os encontros já agendados, nomeadamente os dois previstos para o Dragão Caixa, na sexta-feira e domingo.

Os azuis e brancos iniciam assim a disputa da final a 12 e 13 de Maio, no Dragão Caixa. O adversário vai sair do duelo entre Benfica e Lusitânia.

O valor dos ingressos já adquiridos será restituído aos adeptos na Loja do associado, no Estádio do Dragão.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

CAMPEONATO NACIONAL DE JUNIORES A
Quadro completo (Jornada 11):
    RESULTADOS
        FC Porto     3-2     V. Setúbal       
        V. Guimarães     2-2     Benfica       
        U. Leiria     0-2     Nacional       
        Sporting     1-1     SC Braga

       
CLASSIFICAÇÃO
                             1º Benfica……………..11 – 24
                             2º Sporting ………….. 11  – 23
                             3º FC PORTO ………. 11 -  21   
                             4º Braga……………….11 - 20

domingo, 22 de abril de 2012

ANDEBOL- FC PORTO - MADEIRA SAD 24-24





                     O título por um fio

O FC Porto Vitalis está a uma vitória do tetracampeonato, apesar de ter empatado, no Dragão Caixa, frente ao Madeira SAD (24-24). Tal como na época passada, o título pode ser confirmado em Águas Santas (sábado, 18h), dado que, a quatro jornadas do fim, os azuis e brancos têm uma vantagem de sete pontos.

Este domingo, os madeirenses empataram no último segundo, depois de terem estado em desvantagem durante quase toda a partida. Os portistas chegaram a ter sete golos à maior, no início da segunda parte, mas valeu o tento final de Nuno Silva, quando o Madeira SAD jogava com guarda-redes avançado e o FC Porto estava reduzido a seis unidades, mercê de uma exclusão injustificada de Filipe Mota.

No ataque anterior dos Dragões, tinha ficado por marcar um livre de sete metros a favor do FC Porto, por falta sobre Pedro Spínola, que levaria também à expulsão do andebolista do Madeira SAD. De qualquer forma, os jogadores portistas tiveram o pássaro na mão e acabaram por deixá-lo voar, sendo revelador o facto de terem cometido 12 falhas técnicas, menos uma do que o adversário mas bem mais do que é habitual.

Na primeira parte, o FC Porto só não esteve em vantagem no primeiro minuto de jogo, quando o Madeira SAD fez o 0-1. Aos cinco minutos, o resultado já estava em 3-1 e aos dez os Dragões já tinham construído uma vantagem considerável (6-2).

Até ao intervalo, a margem foi aumentada para cinco golos (13-8), essencialmente garças à eficácia na segunda linha (sete golos em nove remates) e no contra-ataque (quatro golos em cinco remates). O guarda-redes Hugo Laurentino contribuiu com cinco defesas, incluindo um livre de sete metros (38% de eficácia).

No arranque da segunda parte, o Madeira SAD reagiu e averbou um parcial de 5-0, que lhe permitiu passar o resultado de 16-9 para 16-14. Durante mais de sete minutos, os Dragões revelaram uma inoperância ofensiva pouco habitual, que permitiu ao adversário reentrar no jogo.

Dario Andrade, que tinha sido o último portista a marcar, desbloqueou a “seca” de golos (17-14, aos 40:22) e a vantagem portista estabilizou então nos dois/três tentos. O FC Porto entrou nos últimos cinco minutos com uma almofada de três golos (24-21) e sofreu então uma pressão quase homem a homem do adversário. Telmo Ferreira defendeu um livre de sete metros de Ricardo Moreira, a dois minutos e meio do fim, e o resto da história já está contada.

O empate, porém, não retira brilho à época azul e branca e o FC Porto continua sem perder no seu pavilhão desde 26 de Setembro de 2009.

FICHA DE JOGO

FC Porto Vitalis-Madeira SAD, 24-24
Andebol 1, fase final, sexta jornada
22 de Abril de 2012
Dragão Caixa, no Porto
Assistência: 1.236 espectadores

Árbitros: Flávio Carvalho e João Malhado

FC PORTO VITALIS: Hugo Laurentino (g.r.) e Alfredo Quintana (g.r.); Gilberto Duarte (6), Filipe Mota (1), Tiago Rocha (5), Dario Andrade (6), Ricardo Moreira (cap., 3), Wilson Davyes (1), Pedro Spínola (2), Daymaro Salina e Melancic
Treinador: Ljubomir Obradovic

MADEIRA SAD: Telmo Ferreira (g.r.); Gonçalo Vieira (6), Daniel Santos (5), Nuno Silva (3), João Antunes (1), João Ferraz (5), Hugo Rosário (1), Luís Marques, João Mendes (3) e Leandro Nunes
Treinador: Paulo Fidalgo

Ao intervalo: 13-8

Vai uma Francesinha

PARA ESQUECER AS MÁS NOTÍCIAS E CELEBRAR AS BOAs

VAI UMA:

JUNIORES B FC Porto - Benfica 3-1

Juniores B:
FC Porto vence Benfica por 3x1.
 Sporting ganha em Guimarães

   

O FC Porto ganhou diante do Benfica por 3x1, no jogo da 2ª jornada da fase de apuramento do campeão, em juniores B.

Os encarnados chegaram ao intervalo em vantagem, depois do golo de Valdomiro Lameira, aos 20 minutos. Os portistas deram a volta no segundo tempo, com golos de André Silva (60), Ivo (69) e Francisco Costa (75).

Com este resultado a formação portista passa a liderar a tabela com quatro pontos, tantos como o Sporting. Já o Benfica desce ao terceiro lugar.

No outro jogo o Vitória de Guimarães perdeu, esta manhã, diante do Sporting por 1x2. Os leões estiveram a vencer por 0x2, mas em tempo de descontos o atleta Júnior, do Vitória, apontou o tento de honra dos vimaranenses.
Dragões perdem em Espinho

O FC Porto Império Bonança perdeu este sábado no terreno da Académica de Espinho, por 8-4, em encontro da 23.ª jornada do campeonato nacional. Trata-se da segunda derrota na prova dos Dragões, que assim descem ao segundo lugar da classificação, a um ponto do líder Benfica (58).

Os golos do FC Porto foram apontados por Reinaldo Ventura, Pedro Gil (2) e Pedro Moreira. Ao intervalo, os portistas perdiam por 3-1.
Hulk foi o melhor em campo

Hulk foi eleito o melhor em campo no encontro deste sábado, entre o FC Porto e o Beira-Mar, no Estádio do Dragão. Ao longo do jogo da 27.ª jornada da Liga, o avançado brasileiro fez uma excelente exibição, apontando o primeiro e o terceiro golo da partida e assistindo Janko para o segundo.



Incrível” na história do jogo e do estádio

Hulk não se limitou a entrar para a história do estádio. Hulk fez a história do jogo. Mais do que os dois golos, que lhe garantiram a condição de melhor marcador do Dragão, com 41 remates certeiros, o brasileiro acrescentou, entre a conversão do primeiro e do terceiro, a assistência para Janko fazer o segundo. O Beira-Mar não tinha como resistir a tamanha inspiração.

A pressa foi relativa e a pressão oscilante, gerida ao ritmo de uma estratégia que convidava o adversário a ir a jogo. E o Beira-Mar, em parte agradecido, até deu mais do que a organização com que se dispôs no relvado faria supor. Deu, inclusive, o que fazer a Helton. Mas o gás esgotou-se-lhe ao primeiro golo de Hulk, já numa fase de vincada superioridade portista.

O génio criativo de Lucho inventou um passe suficientemente perfeito para Dias, que jogava apenas há dez minutos, em substituição de Nuno Coelho, se sentir obrigado a agarrar Sapunaru, quando ao romeno se colocava um agradável dilema: decidir entre rematar ou oferecer o golo. Aos 33 minutos, da marca de penálti, Hulk não se limitava a dar vantagem ao campeão. Com ela, entrava também para a história do estádio, na qualidade de melhor marcador, que dividiu com Falcao, mas não por muito tempo.

Depois do intervalo, Hulk, que não foi feito para o desempenho de papéis secundários, reassumia a condição de protagonista, oferecendo a Janko o segundo golo com a precisão de um passe que não exigiu mais do que um toque para o fundo das redes. Aos 51 minutos parecia tudo feito e resolvido, mas o brasileiro tinha mais um golo para fazer. Bastaram-lhe três minutos e a assistência de Maicon para elevar para 41 a marca de remates certeiros no Dragão e ter à sua volta toda a equipa, com Helton incluído, a assinalar o registo histórico.

A rendição do Beira-Mar era definitiva. Já não havia transições que pudessem inverter o rumo do jogo ou, sequer, reformular a ténue pressão colocada sobre os Dragões cerca de duas horas antes. Sem que o resultado assumisse a diferença merecida, as distâncias na tabela foram recolocadas por uma exibição autoritária e, por momentos, avassaladora. Ficam a faltar três “finais”. Ou menos.

FICHA DE JOGO

FC Porto-Beira-Mar, 3-0
Liga, 27.ª jornada
21 de Abril de 2012
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 33.412 espectadores

Árbitro: Bruno Esteves (Setúbal)
Árbitros assistentes: Mário Dionísio e Valter Ferreira
Quarto árbitro: Jorge Ferreira

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Maicon, Otamendi e Alex Sandro; Defour, Lucho e João Moutinho; Hulk (cap.), Janko e James
Substituições: Defour por Fernando (53m), Sapunaru por Danilo (57m) e Janko por Varela (66m)
Não utilizados: Bracali, Kléber, Rolando e Djalma
Treinador: Vítor Pereira

BEIRA-MAR: Rui Rego; Nuno Lopes, Hugo (cap.), Bura e Joãozinho; Nuno Coelho, Balboa, Jaime e Serginho; Abel Camará e Nildo
Substituições: Nuno Coelho por Dias (12m), Serginho por Artur (59m) e Abel Camará por Edson Sitta (72m)
Não utilizados: Paes, Pedro Moreira, Dudu e Cássio
Treinador: Ulisses Morais

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Hulk (33m, pen., 54m) e Janko (51m)
Cartão amarelo: Abel Camará (15m), Dias (32m), Bura (35m), Defour (41m), João Moutinho (43m), Lucho (47m), Sapunaru (52m)